'Juntos Somos +'

Domenik Hixon e Sinorice Moss

É a união que motivará os wide receivers (WR) do New York Giants a fazerem um bom campeonato.

Nós somos capazes. Perdemos dois receivers sim, porém isto nos fez ficar mais amigos um do outro, mais unidos”. Palavras de Mario Manningham, único jogador ofensivo a marcar um touchdown (TD) na abertura da temporada contra o rival Washington Redskins – vitória dos Giants por 23 a 17. Estes dois nomes que Manningham fala são Plaxico Burress e Amani Toomer, excelentes WR´s que não fazem mais parte do elenco.

Nas previsões de pré-temporada, analistas e comentaristas alertavam para o fato de que os Giants não teriam mais um WR número 1, aquele alvo de segurança para jogadas de terceira descida e na redzone (parte do campo entra a jarda 20 e a goal line). Burress, mais especificamente, é um especialista nestas jogadas de redzone; se uma equipe consegue ter um alto aproveitamento nelas marcando TD´s, mostra a eficiência na conclusão e finalização da campanha de ataque. Na partida contra os Redskins, Lawrence Tynes, kicker de NY, converteu dois field goals quando o ataque estava na redzone e um quando o time chegou na jarda número 27. Conforme a temporada for se desenvolvendo, Eli Mannig (quarterback – QB) irá achar este receiver finalizador.

Já nas terceiras descidas, Eli completou vários passes em tais situações ao invés de ir com os running backs, jogada mais segura e de mais confiança. Isto foi feito para envolver os receivers na partida e deixar a defesa dos Redskins confusa e adivinhando qual jogada Manning iria utilizar. Um exemplo claro disto ocorreu no touchdown de Manningham.

Era o início do segundo período, os Giants estavam atrás no placar (0 a 3) e na terceira descida para sete jardas – 31 jardas para marcar o TD. A jogada desenhada é uma corrida pelo lado esquerdo da linha ofensiva, mas Eli muda para um passe quando olha a formação defensiva do Washington bastante agressiva, dando a pinta de blitz. Eli faz o sinal do passe curto para a direita e vai para a formação shotgun. Quando a jogada inicia, de fato vem a blitz com oito jogadores e o passe vai curto para Manningham, que dribla três defensores e marca o TD - veja vídeo abaixo).



O TD é todo crédito de Mannigham” disse Eli após o jogo. “O improviso veio na hora porque pensei que a defesa fosse nos marcar por zona ou fazer uma cobertura dupla. A jogada não estava dentro do planejamento mas ele entendeu o sinal e deu tudo certo. Estes jovens receivers estão ligados e atentos”.

Eli usou quatro diferentes WR nesta partida (Manningham, Domenik Hixon, Steve Smith e Hakeem Nicks). O time terá a ausência do novato Nicks durante três semanas devido uma torção no pé esquerdo, desta forma Sinorice Moss deve ser mais utilizado neste grupo de receivers que não promete formar um líder, mas sim criar um espírito de coletividade com cada um complementando o outro.

Smith é um WR de posse; Manningham é habilidoso para correr e também para receber; Hixon foi o primeiro da equipe em jardas recebidas no campeonato passado; Moss é o mais veloz de todos e Nicks é um dos melhores WR novatos deste ano e fez uma boa estréia.

Durante nossa preparação todos perguntaram: Quem será o número 1? Nós temos sete caras que podem jogar e espero que todos sejam utilizados. Não se pode focar só em um WR porque assim facilita o trabalho dos nossos adversários” disse Hixon sobre questionamentos feitos durante a pré-temporada do clube e que voltaram a ser mencionados depois da partida do último domingo. (ele falou sete receivers incluindo Derek Hagan e Ramses Barden entre os já citados aqui).


O mais importante é que Eli confia nos seus jovens WR´s (na foto acima à dir. com Steve Smith á esq). Ele pode não ter mais o seu alvo preferido em campo (Burress), entretanto há inúmeras opções para avançar o time no campo rumo aos TD´s e ampliando mais as formas de ataque do time não sobrecarregando os RB´s Brandon Jacobs e Ahmad Bradshaw. Quanto mais diversidade ofensiva, melhor; o forte da equipe ainda é a defesa que, mesmo com a mudança na coordenação, fez uma excelente partida inclusive marcando um TD (Osi Umenyiora).

Ao ver os receivers tão unidos e focados em juntos assumir as responsabilidades do jogo aéreo do time, os torcedores dos Giants vão poder confiar mais neles entendendo que quando um WR estiver em um mau dia, outro irá assumir o lugar. A nova missão dos fãs é reconhecer os receivers não só pelo esforço e dedicação, mas saber quem eles são entre tantos números “80”: 87, 83, 88, 82...

(GL)



© 1 New York Giants Media
© 2 Mike Groll / AP

Um comentário:

Swiv disse...

ótimo texto, acesso diariamente pra ver se tem post novo.

Acho que ele poderia ter usado mais o Hixon que me parece o mais habil dos 7

Postar um comentário