Tudo o Que é Sólido Pode Derreter


“...as coisas querem ser coisas, que na verdade não são...”

Este é um trecho da música de abertura da série juvenil da TV Cultura “Tudo o Que é Sólido Pode Derreter”. Será uma das definições de LeBron James (LBJ), ala do Cleveland Cavaliers?

Mais uma temporada se passou e LBJ, junto com os Cavs, não chegaram às finais da NBA. Do que valeu as 66 vitórias na temporada regular? Do que valeu passar pelo Detroit Pistons e Atlanta Hawks sem perder nenhum jogo nas primeiras rodadas destes playoffs? Do que valeu LeBron terminar sua campanha na pós temporada com médias de 38,5 PPJ, 8,3 RBJ e 8,0 APJ?

Frustração talvez seja a palavra que responde...

Mas, os grandes caem. Ou não? Quantos excelentes times e excepcionais jogadores já passaram por decepções marcantes em suas carreiras? Vários. Será LBJ mais um deles, que não conseguirá chegar “lá”? O tempo vai dizer.

Só que depois da eliminação frente ao Orlando Magic nas finais do Leste, LeBron não se comportou como um “king” (o rei – seu apelido). O fato de não ter cumprimentado os vencedores após a derrota não é tão relevante assim, afinal é muito difícil reconhecer dentro de poucos segundos que tudo o que foi feito nesta temporada terminou; esta questão nem foi tão criticada pelos “ex-jogadores-comentaristas”, por entenderam este momento delicado da derrota.

O “rei” não foi poupado, porém em não falar com a imprensa na entrevista coletiva após o jogo 6. Afinal, ele não é o “rei”? Deveria responder algumas perguntas sobre o que aconteceu e dar uma satisfação ao seu “reinado”...

Já que LBJ sempre foi rodeado de comparações com os grandes jogadores da história da NBA, vamos a algumas – usando exemplos de reconhecimento da derrota

Declaração de Michael Jordan, depois de ser derrotado pelos Pistons na final do Leste em 1990, falando sobre um dos jogadores “menos favoritos” dele: “Eu acho que Isaiah fez um tremendo trabalho liderando seu time. Ele comandou as ações e é isto o que precisamos fazer

Declaração de Magic Johnson, depois do Chicago Bulls derrotar os Lakers na final da NBA de 1991: “Você ouve falar muito de um jogador ‘apenas’ individualista, mas ele (Michael Jordan) provou que todos estavam errados vencendo este campeonato”.

O jogo 6 foi no sábado (dia 31). No Domingo seguinte, James foi tentar se justificar sobre suas atitudes tomadas após a partida. Saiu-se muito bem quando o assunto foi o “aperto de mão”, mas não foi tão bem assim quando comentou sobre a entrevista coletiva, dando a entender que faria, ambas as coisas, novamente.

Situação que preocupa.

É bom lembrar que estamos falando de um “garoto” de 24 anos e que tem muito que aprender. Porém, esta atitude de não falar após o jogo criou certo “estrelismo” em volta do “rei”. Comenta-se pelas ruas: “Cadê aquelas apresentações antes dos jogos, ham?” ou “Não foi este o mesmo cara que foi para sua escola tempos atrás com uma Ferrari zero(sic)?”

LBJ deu espaço para este tipo de comentário. Não deveria.

20, 25 minutos que fariam uma grande diferença.

Recapitulando: LeBron aprendeu mais uma lição e tem uma longa carreira pela frente para aplicá-la de maneira correta. Permanecendo no “mundo das comparações”, nenhum jogador ganhou o título sozinho e não será “o rei” que quebrará esta escrita.

Se LeBron James quer ser a “cara” da NBA e estar no topo da associação, não basta ter médias de quase um triplo duplo. É preciso prestar atenção nas coisas pequenas, nos detalhes. Ao invés de falar sobre as espetaculares atuações de LBJ nestes playoffs, o “reinado” repercute as “não-declarações” do “rei”. Isto aconteceu em Cleveland, imagina se fosse em New York - que tem uma mídia tão “venenosa” quanto a paulistana.

Nestes seis anos de NBA, esta é apenas mais uma lição. LBJ entendeu que tudo o que é sólido pode derreter...

Caso ele conhecesse a música, cantaria: “...deve haver pra tudo isso alguma explicação...”


© Logo do seriado “Tudo Que é Sólido Pode Derreter” pertence à TV Cultura
© 1 Winslow Tomson / AP
© 2 John Amis / AP
© 3 Paul Sancya / AP


PS: Leia “Jornada Premiada”, texto que mostra a trajetória de LeBron James até o prêmio de MVP da temporada 2008-09 (publicado dia 06/05/2009)

10 comentários:

Baby Pri disse...

n gosto dele...e nunca vou gostar kkk
mta modinha...gnt q nao viu o basquete do jordan por ex...chamam esse pirralho d rei... aff

Vinicius disse...

Lebron = rei
Jordan = deus

Não compare Lebron com Jordan, Baby_pri !
por mais que o James seja um jogador excepcional...
ele ainda tem que "comer muito arroz com feijão" para chegar aos pés do Jordan...

e com o tempo ele aprende...
quem nunca tomou certas atitudes sem pensar, quando ainda jovem ???

dinho disse...

julgam demais ele, pra que isso?
quem nunca errou que atire a primeira pedra.

Arthur disse...

Vai estuda basquete antes de escrever qualquer critica sobre LBJ, esse autor só pode ser um recalcado que torce pra algum time rival, ninguem nunca disse que LBJ se equiparava a Jordan mas qualquer um que acompanhe sua carreira desde o inicio sabe que POUCOS forão os jogadores que fizerão oque ele fez, e com apenas 24 anos!

dinho disse...

talvez o autor tenha se excedido em alguns comentarios, mas, realmente ele fez o que poucos ou apenas jordan fez com tao pouca idade, e esse negocio de novo jordan e a midia que o colocou assim, eu sou fan dele e tenho varias entrevistas desde qndo ele jogava na SVSM, que ele nunca se intitulou o novo jordan, muito pelo contrario, sempre humilde e buscando melhorar mais e mais, ja houveram muitos novos jordans antes, ou estou enganado? quem sem lembra de grant hill ou jason richardson?

Baby Pri disse...

p esclarecer meu comentario kkk soh quis dizer que muitas pessoas hoje em dia enxem d+ a bola do lebron sendo que nao eh isso tudo nao... vinicius le direito eu nao comparei e sim disse q era um exagero ...ahha to exatamente falando o contrario

tomaz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
tomaz disse...

não Lebron não é jordan, mas ele ainda é novo, e ele não está mais ainda no topo, porque vamos dizer que o time não coopera muito, afinal ele praticamente joga sozinho, ele fez, na maioria dos jogos contra orlando, 35-45 pontos, enquanto howard, 20-25, e orlando ainda venceu, oque falta no cleveland, é mais jogadores, afinal, "um rei não governa sozinho". ;)

não digo que lebron é rei apesar de torcer forte pro cavaliers, ele não tem títulos, não tem títulos por falta de ajuda, porque se dependesse só dele... mas , daqui uns 5 anos, será...

podem escrever, daqui um tempo a camisa 23 não será lembrado só o jordan.

ivan disse...

L.James é um dos "Midia" da NBA conhecido no mundo inteiro assim como bryant, muitos acham james bom pq? pq a tv fala q é bom , pq a midia o trata co rei pq se a tv falar q é pra se matar, muitos se jogam de um precipicio, nao dimnuind ele mas tem muitos anonimos na nba, euroligue,nbb e centenas de cidades e ligas no mndo bons ou até melhores q ele então quem nao é torcedor modinha sabe q nomes como lebrn james, kobe bryant sao nomes iguais a josé, maria , ^^

ivan disse...

mas uma coisa é fato, ele leva o clevelands nas costas, um jogador de
24 anos que faz o papel de 5, agora Shaq chegou lá pra ajudar tomare que tire um pouco o peso das costas desse garoto^^

Postar um comentário