O Retorno

Esta temporada 2009 da MLB tem um dado interessante: vários jogadores, depois de anos de experiência, voltaram a atuar nos clubes que começaram a carreira. O caso mais notório é o de Ken Griffey Jr. que novamente está nos Mariners.

Claro que pouco vai ser exigido dele nestas duas próximas temporadas de contrato que ele firmou com o Seattle – afinal, são 20 anos de beisebol profissional! Contudo, o interessante será observar o final de carreira de um dos melhores jogadores da história da MLB.

Por enquanto, é tudo festa. Pode-se afirmar que é o final perfeito para Junior, um momento de reflexão sobre sua carreira e relembrar os bons momentos que teve em Seattle (1989-1999) quando era, depois de Michael Jordan, a mais popular personalidade esportiva americana na década de 90.

Sim! Isso mesmo, para quem não viveu a época, este é um detalhe para se saber. Já para quem acompanhou o anos 90, principalmente se for fã de beisebol, irá se lembrar dos jogos de beisebol Ken Griffey Jr. Presents Major League Baseball e Ken Griffey Jr. Winning Run para Super Nintendo, extremamente populares então. Ele apareceu no seriado The Simpsons e The Fresh Pince of Bel-Air (Um Maluco no Pedaço); além de ter um tratamento pela Nike igual ao do Jordan.

Esta fama toda era correspondida pelas as atuações no campo. Com a camisa dos Mariners teve incríveis 10 nomeações seguidas para o jogo das estrelas (de 90 a 99), foi 10 vezes seguidas “Luva de Ouro” (prêmio para melhor jogador defensivo por posição – Griffey era LF), também entre 90-99, e foi o MVP em 1997.

Ken Griffey Jr. em 1995

O sucesso não fez com que Griffey ficasse para sempre em Seattle. No ano 2000 ele decidiu mudar de time e foi jogar, até 2008, no Cincinnati Reds por várias razões: primeiro porque foi em Cincinnati que ele passou toda sua infância (apesar de ter nascido em Donora, Pensilvânia); segundo, foi nos Reds que seu pai jogou e conquistou a World Series de 1976 e terceiro, os Reds tinham até uma boa equipe e a expectativa era grande de um avanço para Junior e seu futuro clube.

Só que os anos em Cincinnati não foram os melhores para Griffey, marcados por inúmeras contusões (tendão, coxa, perna, pulso, abdômen, ombro...) baixando sua produtividade dentro de campo. Jogando no time que nunca foi competitivo como se esperava e numa cidade fora do “Grande Mercado”, Junior viu sua produtividade (e popularidade) cair junto com seus números.

Mesmo assim, vale mencionar que feitos importantes Griffey atingiu com a camisa dos Reds: em 2005 empatou com Fred McGriff em HR´s em diferentes estádios (43); em 2007 foi eleito numa lista de apenas 9 jogadores defensivos dos últimos 50 anos e no dia 9 de Junho de 2008 ele se tornou o sexto jogador da história a conseguir 600 HR´s.

O período “Reds” na história de Junior foi ruim em outros aspectos também. Os fãs do beisebol em geral que o adoravam, passaram a criticá-lo com veemência. Era tido como o cara que chamava a atenção para si e não queria o desenvolvimento do time. Adam Dunn, então um dos jogadores mais próximos de Junior, disse na época à Sports Illustraded: “Muitos o vêem como desagregador, mas eles não estão aqui todo dia. Se os repórteres vão atrás dele, é uma opção da imprensa, e não de Griffey. Ele, na verdade não gosta deste tipo de assédio e é um cara que joga 100% para equipe, algo que as pessoas não percebem”.

Outro ponto de discórdia dos torcedores era em relação a sua dedicação no campo, pois muitos diziam que ele fazia corpo mole: “Sempre achei isto engraçado” disse Griffey “Se eu não fosse atrás da bola, era tido com o cara que não estava se dedicando o suficiente; se eu mergulhasse atrás da bola – o que eu fiz, e estourei o meu ombro – as pessoas diziam ‘Porque ele foi com tanta força na jogada?’ Não existia meio-termo”.

Uma coisa é certa, este tipo de critica ele não vai ter mais. Sua “aposentadoria” vai ter um inicio feliz na cidade que ele apareceu para o beisebol e o fez famoso. Os “Seatllelites” (moradores de Seattle) tratam Ken Griffey Jr. da melhor maneira possível e o deixa a vontade para ele jogar o seu beisebol, fazendo que o retorno do "Hall da Fama" seja bom para todas as partes.

2 comentários:

pedro0809 disse...

Belo artigo e pra quem assite MLB na ESPN ai vai uma comunidade apoiada nas transmissões de domingo


Morcegos da MLB

segue o link abaixo pra participar da comunidade:

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=55348716

Henrique Gonçalves disse...

mto bom o artigo.
sempre gostei do Ken Griffey Jr. e tenho serias duvidas sobre quantos HRs ele teria batido nao fossem suas inumeras contusoes em Cincinatti. acho q 700 pelo menos ele teria chance de conseguir

Postar um comentário